quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

MÊS DE MARÇO: HOMENAGENS ÀS MULHERES CANGACEIRAS



    EM MARÇO ACONTECERÁ DOIS GRANDES EVENTOS DO CANGAÇO E QUE FARÃO HOMENAGENS A MULHER NORDESTINA.
DIAS 19,20 E 21 O EVENTO SERÁ EM PRINCESA E DIAS 25 E 26 EM JOÃO PESSOA-PB.
PARTICIPEM, DIVULGUEM,PRESTIGIEM.......
FAREI PALESTRAS NAS DUAS CIDADES E LANÇAREI OS LIVROS LAMPIÃO EM PAULO AFONSO E A TRAJETÓRIA GUERREIRA DE MARIA BONITA, A RAINHA DO CANGAÇO


segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

CARIRI CANGAÇO - PRINCESA 2015 - JOÃO DE SOUSA LIMA REPRESENTARÁ PAULO AFONSO



     O Cariri cangaço em Princesa será um dos grandes eventos de 2015 e a cidade de Paulo Afonso será representada pelo Historiador João de Sousa Lima.
PARTICIPEM, DIVULGUEM!

vejam a programação:
      
Cariri Cangaço Princesa 2015
Programação Completa

19 de Março de 2015
Quinta-Feira
19:00h 
Abertura Oficial – Acqua Clube Hotel
Solenidade de Homenagem do Cariri Cangaço
Às Personalidades e a Canhoto da Paraíba
Apresentação do Grupo Cultural Abolição
Palavras das Autoridades
Manoel Severo – Cariri Cangaço
Benedito Vasconcelos – Presidente da SBEC
Narciso Dias – Presidente do GPEC
Prefeito Domingos Sávio

19:40h 
Conferência: Território Livre de Princesa
Conferencista: José Romero Cardoso
Moderador: Wescley Rodrigues
Debatedores: Paulo Mariano e Juliana Pereira

23:00h

Seresta Homenagem Canhoto da Paraíba
Praça Nathália do Espírito Santo



20 de Março de 2015
Sexta-Feira
08:30h - Saída para São José de Princesa
9:00h - Visita ao Casarão de Patos de Irerê
9:50h - Visita a Casa de Marcolino Diniz
10:30h - Visita a Capela de Patos de Irerê
Conferencia: "Marcolino e Virgulino –
Elos de um Passado Presente”
João Antas
Moderador: Ângelo Osmiro
Debatedores: Jorge Remígio e José Cícero Silva

15:00h - Retorno a Princesa Isabel
15:30h - Visita ao Palacete do coronel José Pereira 

19:30h - Grito Rock Princesa

Praça Nathália do Espírito Santo


21 de Março de 2015
Sábado
9:00h – Local – Espaço Nordeste
Apresentação da Cia de Teatro Sound Clash
Conferencia: Maria de Lampião e 
as Mulheres no Cangaço
João de Sousa Lima
Conferência: 100 anos da Prisão de Antônio Silvino
Geraldo Ferraz
Debatedores: 
Aderbal Nogueira 
Archimedes Marques
Narciso Dias
Emmanuel Arruda

14:30h - Saída para Nazaré do Pico em Floresta

15:30h - Visita à Vila de Nazaré do Pico,
Visita ao Monumento em homenagens aos Nazarenos,
Visita ao Monumento a João Gomes de Lira,
Visita ao Cemitério onde repousam os Nazarenos,
Visita à fazenda Poço do Negro
 Hildebrando Ferraz Neto (Netinho)
Euclides Ferraz Neto e Ulisses Ferraz

18:00h – Retorno a Princesa Isabel

Noite de Encerramento com Show 
Seu Pereira
Coletivo 40
Sansaruê




sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Hilson Costa mostra Paisagem Urbana nesta sexta,dia 06 de fevereiro de 2015, no CPA

 



     Hilson Costa mostra Paisagem Urbana nesta sexta, no CPA

Começa às 19 horas a mostra das paisagens urbanas e sertanejas imortalizadas pelas suas mãos de artista
 O pauloafonsino Hilson Costa, chesfiano, há anos mora em Aracaju/SE, base do seu trabalho na subestações da Chesf no Estado de Sergipe e em Olindina, na Bahia.
Em Paulo Afonso, Hilson sempre se destacou na produção de pinturas, óleo sobre tela em quadros como os que estão na recepção e no teto da recepção do Memorial Chesf ou em grandes painéis expostos na galerias das Usina Paulo Afonso IV e Usina Hidrelétrica de Xingó e no auditório do Memorial Chesf.
Os painéis de Hilson Costa e suas telas mostram a paisagem urbana desde os operários da Chesf carregando pedras na cabeça, no início das obras da primeira Usina de Paulo Afonso às pastorinhas que animavam o Pastoril Juvenil de Natal, tantas vezes apresentado na Rua da Frente – Av. Getúlio Vargas, pelo saudoso Gilberto Leal, sem esquecer de personagens como o diretor técnico da Chesf, Amaury Menezes e o pioneiro Delmiro Gouveia e sua Usina Angiquinho.
Seguindo a sua vocação, Hilson Costa concluiu o Curso de Arquitetura na UNIT, em Aracaju e continua criando quadros, aperfeiçoando sua técnica, alguns deles com nuances da pintura chinesa e começa a mostrar esse trabalho em uma exposição que acontece nesta sexta-feira, a partir das 19 horas, no Espaço das Artes, (área circular), logo na entrada do Clube Paulo Afonso.
Para isso, Hilson Costa contou com a sensibilidade do diretor Sócio-cultural do CPA, também escritor, Sávio Mascarenhas e da diretoria do Clube.
 Embora o tema da exposição seja Paisagem Urbana, o artista também oferece a oportunidade de admirar e refletir sobre personagens sertanejos que encantam a todos como o vaqueiro nordestino a quem Hilson Costa parece dar vida e movimento em sua criação.
Na visita que fez ao jornal Folha Sertaneja, Hilson Costa falou e passou aos escritores Antônio Galdino e João de Sousa Lima a sua empolgação com esse projeto que começa em Paulo Afonso, sua terra, mas é seu desejo levá-lo a muitas outras cidades de Sergipe e a outras cidades nordestinas.
 Todos podem ver esse seu trabalho, cada dia melhor, no CPA, nesta sexta-feira, 6 de Fevereiro. A Exposição Espaço Urbano tem 40 telas que mostram da Ponte D. Pedro II passa por Angiquinho mostra a Kombi do seu Nestor, que há mais de 30 anos faz parte do cenário do Belvedere, onde os visitantes encontram rolete e caldo de cana e chega ao sertão, por onde passa, lépido, o vaqueiro nordestino, valente, destemido, destacado pelo mestre Ariano Suassuna como o nosso “príncipe, herói das caatingas”. O acesso é grátis.
  Aqui, uma pequena amostra do trabalho de Hilson Costa. Vá ver mais vaqueiros, cachoeiras, pontes, igrejas, paisagens urbanas e também rurais, saídas das mãos do artista Hilson Costa para imortalizar o homem e a região sertaneja.

www.jornalfolhasertaneja.com


quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

USINA PAULO AFONSO I : 60 ANOS DE HISTÓRIA -

João, Luis Fernando e Flávio Mota


     USINA P.A. I: 60 ANOS DE HISTÓRIA.

Hoje, dia 12 de dezembro de 2014, a CHESF comemorou os 60 anos de inauguração da 1ª Usina de Paulo Afonso (P.A.I).
A comemoração dos 60 anos da Usina foi adiantada em um mês, sua verdadeira inauguração ocorreu em janeiro de 1955.
Tive a honra de ser convidado pelo amigo António Galdino que recebeu o convite do engenheiro Flávio Mota para participarmos dessa comemoração que aconteceu com uma homenagem e a participação de vários pioneiros da CHESF.
Dentre os pioneiros que participaram das homenagens tive a grata satisfação de reencontrar o engenheiro e também escritor Luiz Fernando Motta.
Luiz Fernando foi um dos valorosos funcionários da CHESF e chegou a ocupar o cargo de Diretor da Empresa e sobre ela escreveu um excelente livro histórico.
Como pesquisador inquieto que sou, assim que cheguei  em casa sai buscando informações sobre essa data histórica e nessa pesquisa encontrei uma revista que foi lançada pela CHESF e que narra todo o processo de criação, execução e inauguração, além de uma extensa relação das pessoas que estiveram nesse festivo dia.
Sobre esse momento marcante a empresa dos correios lançaram um selo comemorativo e uma folhinha filatélica eternizando esse capitulo histórico. Tratei logo de adquirir esse material que faz essa referência a nossa cidade e consegui comprá-los a um velho colecionador de selos do Brasil.
Transcrevo em partes um pouco da reportagem impressa na revista e a relação de autoridades e convidados que marcaram presença nesse dia tão importante para a história do desenvolvimento do nordeste brasileiro.

COMEÇA A RODAR A USINA DE PAULO AFONSO
(SUA INAUGURAÇÃO)
    O primeiro e mais importante acontecimento do começo de 1955 no Brasil foi a inauguração da Usina de Paulo Afonso e da parte principal do seu sistema de transmissão, formada pelas linhas-tronco Norte, para Recife e, Sul, para salvador.
     Ao mesmo tempo, entraram em funcionamento a Usina de Paulo Afonso, as estações terminais de Recife e Salvador, as estações terminais de Angelim e de Itabaiana e 860 km de linhas de transmissão de 220.000 Volts.
      A inauguração da Usina de Paulo Afonso realizou-se no dia 15 de janeiro de 1955, às 12 horas, e consistiu essencialmente em uma cerimônia no portal da Usina, em que, depois de falarem o Presidente da Companhia, Sr. Alves de Souza e o Sr. Presidente da república, foi descerrada uma placa comemorativa, e na bênção do interior da Usina da Usina por sua Eminência o Cardeal D. Jaime Câmara.
     A placa comemorativa da inauguração que, coberta com a bandeira brasileira, foi descerrada pelo Sr. Presidente da República foi fundida em bronze com uma breve inscrição alusiva a fundação da Companhia e à construção da Usina, e emoldurada em um grande bloco de granito sanfranciscano levantado à entrada desta.
    Essa placa despertou os mais lisonjeiros comentários da assistência, não só pela sobriedade e pela imparcialidade dos seus dizeres como pela feliz escolha dos caracteres dos mesmos, que são romanos clássicos, e pela austera moldura que foi dada.
     O discurso do Presidente da Companhia, Sr. Alves de Souza, que, pelo equilíbrio e espontaneidade dos seus conceitos, mereceu caloroso acolhimento da assistência, foi o seguinte:
    “ A 15 de janeiro de 1948, há, portanto, sete anos, encerrava-se com êxito a subscrição de ações preferenciais da companhia Hidro-Elétrica do São Francisco, lançada em 1º de dezembro de 1947 pelo Sr. Presidente Eurico Dutra.
Foi a primeira demonstração concreta da possibilidade de realização deste grande empreendimento que é o sistema de Paulo Afonso, nos moldes fixados no Decreto-lei nº 8.031, de 1945, promulgado pelo Presidente Getúlio Vargas, sendo Ministro da Agricultura o Sr. Apolônio Sales.
     A criação deste grande empreendimento técnico, econômico e social de enorme repercussão benéfica, de limites ainda difíceis de prever, para o  Nordeste e para o Brasil, caíra em ponto morto desde 1945, tendo sido retomada com decisão, em fins de 1947, pelo Presidente Eurico Dutra e pelo Ministro Daniel de Carvalho.
    A 15 de março de 1948, realizou-se a Assembleia Geral dos Acionistas da Companhia, que aprovou sua constituição...

     Dentre os vários discursos calorosos e emocionados pela concepção da obra inaugurada, começando pelo Presidente da República, passando por Alves de Souza, Daniel de Carvalho, Apolônio Sales, Mário Pinotti, Antonio Galloti e G. J. Dyktor houve um almoço oferecido as autoridades:
    À noite, após o jantar íntimo na Casa da Diretoria, foi oferecido ao Sr. Presidente da Republica um baile no Clube Paulo Afonso, que correu animadíssimo até de madrugada. Durante esse baile, exibiram-se a Srta. Nize Brito, dançando o “frevo” regional, e o poeta sanfranciscano, Francisco Cândido Lopes, (Chico Onça), dizendo versos humorísticos alusivos à obra.
A dançarina trouxe a assistência em suspenso pela perfeição e pelo ritmo de seus passos e o poeta provocou momentos de intensa hilaridade.
    Assim terminou, entre galas, alegrias e flores, um dia memoráveis para a laboriosa comunidade de Paulo Afonso e para todo o Brasil. Em comemoração desse dia a Companhia Hidroelétrica do São Francisco distribuiu aos seus grandes e pequenos colaboradores uma medalha de prata antiga com a sigla e a marca CHESF, o nome da Usina de Paulo Afonso e a data da inauguração. Também distribuiu aos seus convidados um folheto de dez páginas, de capa azul, com a sigla CHESF e a data impressa em ouro, contendo dez páginas de texto e ilustrações, entre as quais o mapa da área de fornecimento de energia com as linhas de transmissão superpostas, perspectivas, planta geral e corte das obras da Usina e diversas fotografias.
    As festividades da inauguração em Paulo Afonso, que ocorreram em tão boa ordem, estiveram a cargo de uma comissão, que, por esse êxito, foi muito cumprimentada, a qual, sob A direção do Sr. José Gomes Barbosa, se compunha dos Srs. Álvaro de Carvalho, Bret Yolas de Cerqueira Lima, Cyril Iwanow, Hélio Gadelha de Abreu e Roberto Azevedo Montenegro.
   A inauguração da Usina de Paulo Afonso constituiu motivo para que o fundador do “O OBSERVADOR ECONÔMICO E FINANCEIRO”, Sr. Valentim Bouças, fosse muito cumprimentado pela confiança que desde logo demonstrou na obra e nos seus realizadores, tornando-se o principal tomador individual de ações da Companhia.
A inauguração contou com a presença não só do Sr. Presidente da republica, Sr. Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro, do sr. Presidente da Câmara dos deputados, Governadores, Ministros de estado, Juiz de direito da comarca, altas autoridades civis e militares, como de personalidades vindas especialmente do estrangeiro para a cerimônia.
    Dentre tais personalidades destacam-se o general R. A. Wheeler, representante do Banco Internacional de reconstrução e desenvolvimento, acompanhado do Sr. Bruno Iuzzatto, de uma delegação da Westinghouse International Engineering Co., chefiada pelo seu Vice-Presidente Executivo, Sr. G. L. Wilcox, composta dos Srs. G. J. Dyktor, J. D. Mickle, R. Douglass e W. W. Parker.
    Sem falar em outras pessoas cujos nomes nos escaparam, notadamente de cidades vizinhas, como Glória, Jeremoabo e Delmiro  Gouveia, notamos na inauguração a presença a presença das seguintes pessoas, procedentes do Rio de Janeiro, de Recife, de Salvador e de outros pontos do país:
     Presidente João Café Filho, Cardeal Dom Jayme de Barros Câmara, Governador Regis Pacheco, Almirante Amorim do Vale, Sr. Nereu Ramos Gal. Juarez Távora, Gal. Henrique D.T. Lott, Tenente-Brigadeiro Eduardo Gomes, Sr. Costa Porto, Governador Etelvino Lins, Sr. Sr. Aramis Athayde, Governador Arnon de Melo, Governador Sílvio Pedrosa, Governador José Américo,  Governador Arnaldo R. Garcez, Srs. Pereira Pinto, Apolônio Sales, Daniel de Carvalho,  Antonio Balbino, Antonio Pereira Lima, Tarcilio Vieira de Mello, Henrique Pagnoncelli, Lima Figueiredo, Juracy Magalhães,  Herbert Levy, Rômulo de Almeida, Eunápio Queiroz, Octávio Mangabeira, Armando Fontes, Artur Santos, Augusto Viana, Manoel Novais, Luiz Kelly, Colombo de Souza, Cel.  Rodrigo Otavio Jordão Ramos, Vicente de Ouro Prêto, Ozeas Martins, Reginaldo Fernandes, Gal. Pio Borges, Gal. Edmundo de Macedo Soares e Silva, Brigadeiro Reynaldo Carvalho Filho, Gal. José Bina Machado, Gal. Aurélio Gomes, Almirante Américo Jacques Mascarenhas, Gal. Eduardo Carvalho Chaves, Almirante Diogo Borges Fortes, Gal. Aristóteles de Souza Dantas, Almirante Whitehead, Gal. Raymond Wheeler, srs. Bruno Luzzato, G.L Wilcox, R.J. Douglass, J.D. Mickle, G.J Dyktor, Sérgio Barbosa Ferraz, Antonio Gallotti, W.L. Simpson, J. Monteiuro da Silva, Roberto Mrinho Lutz, Ruy Simões Pinto, Plínio Travassos, José Pereira lira, Clemente Mariani, Walder Sarmanho, D. José Trindade, Srs. Antonio Carlos Cardoso, Mário Pinotti, Valentim Bouças, J.J. de Sá Freire Alvim, Ari Frederico Torres, Herbert Moses, , Elmano Cardim, João Portela Dantas, Dácio Arruda de Campos,  Edgard Santos, I.V. Lebow, Leo Pena, Elmer Johnsom, H.E. Goodrich, Anthony Arute, Gastão Pereira, Aristóteles de Góes, Antonio Queiroz Muniz, Cleóbulo Gomes, Paulo Germano Magalhães, Comandante Augusto vergueiro, Srs. Oswaldo Lima, Raul de Góes,  Sizenando Carneiro Leão, Adelmar Costa Carvalho, secretário do Arcebispo  de Salvador, Cônego Ivo Calligari, Monenhor José Magalhães, Major Rodopiano Barbalho, cap. Geraldo Queiroz Almeida, Cap.-Tem. José Maria do Amaral Oliveira, Ten-Cel. Auriz Coelho e Silva, Cap. Dilckson Melges Crael, Cap. Stanley Fortes Batista, Cap.  José Laranjeiras,  Cap.  Jorge Wilson de Oliveira, Cap-Tem. Waldir Martinho, Des. Clovis Leoni, Srs. Fernando Gois, Benício Gomes, Carlos Simas, Ranulfo Oliveira, Álvaro Hermano, Delsuc Moscoso, Renato Vaz Sampaio, Orlins Costa, Adelmário Pinheiro, Luiz Torres, Manoel Ribeiro, Pedro Mariani Bittencourt, José Marques Chagas,  Alfredo Maciel Seabra, Rogério Faria, Nogueira Passos, Guilherme Paiva, Rômulo Serrano, Alexandre Maia Filho, Augusto Ramos, Cap. Adolfo Faceiro, Ajudante de Ordens do Brigadeiro Reinaldo, Ajudante de Ordens do Almirante Mascarenhas, Eudes Souza Leão Pinto, Jordão Emerenciano, Artur Coutinho, Eraldo Valença, Hélio Loreto, Aderbal Jurema, Des. Nestor Diógenes, Humberto Fernandes, Cel. Viriato Medeiros, Ignácio Gerab, Alfredo Borges, Armando Ribeiro Gonçalves, Lourival Castro, Alberto Moreira, Gomes Maranhão,, Antonio Baltar, Charles Sidney, Paulo Pessoa de Queiroz, Jayme Ferreira Santos, Domingos Azevedo, João Santos, Manoel Brito, Décio Fonseca, Abdias Moura, Esmaragdo Marroquim, Mauro Mota, Edmo do Vale, Pedro de Assis Rocha, Cel. Artur Levy, Cel. Aristóbulo Codevilla, cel. Elízio carlos, Dale Coutinho, Srs. Francisco Sá Lessa, Alberto Rocha, Waldemar de Carvalho, Irnack Amaral, Jorge Alberto Diniz carneiro, Cândido Castelo Branco, Luiz Vieira, José Braz Ventura, Saturnino de Brito Filho, Mário Werneck de Alencar Lima, João Batista Ricci, César Catanhede, Moacyr Durval Andrade, Luciano Pereira da silva, John R. Cotrin, Mario Bhering, João Maurício de Medeiros,  Custódio Braga, Júlio Miguel de Freitas, Jason Marques Costa, Maurício Guaraná Monjardim, Theodoro Arthou, José Francisco O. Diniz, C.P. Schoeller, Eduardo Agostino, Fernando Bandeira, carlos Castelo Branco, Fábio Macedo soares, Jesus Soares Pereira, José Domingos da Silva, Colombo de Oliveira, Srta. Dora Martins de Carvalho, Srs. Paulo Brandão, Newton Oliveira Alves de Souza, Tem-Aviador José Adozindo Magalhães de Oliveira, Srs. Paulo Parísio, Raimundo Sales, Silvio Quintela, Francisco Alves de Souza, Luciano Pereira da Silva, Salomão Ibrahim Filho, Pergentino de Matos Franco, Ari Madruga Seabra, jornalistas José Faria de Azevedo, Ítalo Viola, Alberto Honsi, Mário garôfalo, Eurico Carlos Richers, fotógrafos Nelson Apel Quadros, Jorge Audi, Srs. Paulo Correa da silva, Antonio Vial Correa, Manoel Marques de Mesquita e Fernando Itamato (da Agência Nacional), Elias Castelo Branco de Oliveira e Silva (da Rádio Nacional), Srs. José Efrem Barreto Pereira, Costa Pinto e João Gonçalves de Sá.


Com a inauguração da Usina Paulo Afonso I a cidade escreveu mais um capítulo para a história do progresso e do crescimento do Nordeste e do Brasil. Seus PIONEIROS merecem todas as homenagens.
Desde os capacitados homens que formularam estudos, desenhos, cálculos e comandaram as primeiras ocupações, até chegar aos homens rudes que empunharam rústicas ferramentas e escavaram o solo pedregoso das margens da antes pujante Cachoeira, todos eles, merecem nossa mais eterna gratidão, nosso respeito, nossa admiração e nosso reconhecimento.


Paulo Afonso, 12 de dezembro de 2014

João de Sousa Lima
Historiador e escritor
Membro da ALPA – Academia de Letras de Paulo Afonso – Cadeira nº 06.
Membro do IGH – Instituto Geográfico e Histórico de Paulo Afonso.

Matéria vinculada ao Jornal Folha Sertaneja
www.joaodesousalima.com






terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

PONTO DE CULTURA MARIA BONITA LOGRADOURO, 15 ANOS PROMOVENDO A ARTE.


Para comemorar seus 15 anos de atuação, o Ponto de Cultura Maria Bonita Logradouro está preparando uma grande festa em Umari-CE e você pode colaborar. Basta acessar o Alteridade Crowdfunding e apoiar o projeto "Pontos que pulsam meu Sertão" com um dos valores sugeridos: http://bit.ly/pontosquepulsam

Todo o recurso arrecadado na campanha será utilizado para custear um encontro de Pontos de Cultura na cidade, com a integração das mais diversas artes: música, teatro, artesanato, danças tradicionais e muito mais. Colabore! É fácil, rápido e seguro. Com a sua ajuda, a comemoração será ainda mais bonita.


quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Morre a atriz e cantora Vanja Orico, a mais bonita Maria Bonita do cinema.



     Morre a atriz e cantora Vanja Orico, a mais bonita Maria Bonita do cinema.
Conheci Vanja Orico em 2008 quando realizamos o encontro de três cangaceiros e dois soldados de volantes. O encontro aconteceu em Fortaleza, Ceará.
Mantive sempre contato com Vanja e quando do lançamento do seu documentário: “Vanja Vai, Vanja Vem”, ela me presenteou com um filme e um CD (Mexe com o corpo) autografado e que guardo com carinho.
O Portal G1 da Globo noticiou a sua morte:
Ela lutava contra um câncer no intestino e teve falência múltipla de órgãos.
Atriz foi a única brasileira a atuar com o cineasta italiano Frederico Fellini.
Morreu nesta quarta-feira (28) no Rio, aos 85 anos, a cantora, atriz e cineasta Vanja Orico. Acometida por Alzheimer, ela ainda lutava contra um câncer de intestino e estava internada desde o dia 11 de janeiro. O enterro está previsto para esta quinta-feira (29), às 16h, no Cemitério São João Batista, Zona Sul do Rio.
Vanja se projetou no cenário artístico em 1953 ao interpretar a música Mulher Rendeira, tema do filme O Cangaceiro, de Lima Barreto. Ela acabou sendo consagrada como a musa do “Ciclo do Cangaço”, tendo participado de filmes como Lampião, O Rei do Cangaço e Jesuíno Brilhante, o Cangaceiro.

A artista carioca participou de mais de 20 filmes e foi a única atriz brasileira a atuar com o cineasta Frederico Fellini, na década de 50, no filme "Luci del Varietá" ("Mulheres e luzes").
Vanja também teve participação notória durante a ditadura militar. Ela foi presa e torturada depois de interromper a ação de policiais durante o enterro do estudante Édson Luiz, morto pela repressão. "Não atirem, somos todos brasileiros", teria gritado Vanja aos policiais do regime















segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

NO PARAÍSO COM A FAMÍLIA E AMIGOS QUERIDOS


ESSE FINAL DE SEMANA ESTIVE EM UM PARAÍSO COM A FAMÍLIA E  AMIGOS QUERIDOS.
Viajamos para Coruripe, Alagoas e ficamos em um chalé na "Lagoa do Pau",
viajamos eu, minhas filhas Stéfany e Letícia, minha irmã Betinha, meu cunhado Osvaldo, meu sobrinho Leonardo, meu irmão Edson Barreto com sua esposa Elaide e a filha Evellyn.
passamos dias memoráveis em uma bela região.
ao lado do chalé passa um rio que deságua no mar e é chamado Lagoa do Pau.
o lugar é muito bonito e vale ser conhecido.


STÉFANY

LETÍCIA

BETINHA (IRMÃ QUERIDA)

Lagoa do Pau




Evellyn, Leticia, João e Stefany

João e Stéfany

João e Leticia

Stéfany, Betinha, João, Elaíde e Evellyn

Evellyn, Tel, João, Elaide, edson, Leo, beta e Osvaldo



Beta e Osvaldo












reencontrando os amigos Remy e Vânia